Croacia


Foi consenso geral quando saimos da Croacia que foi um dos paises mais bonitos que conhecemos mas que deveriamos trer escutado melhor os conselhos de quem ja havia visitado o pais. A Croacia e realmente feita para ser explorada por Ecoturismo. Praias magnificas, montanhas, cachoeiras e rios. Fomos preparados para um turismo que estavamos fazendo em Viena, em Praga e em Budapeste. Visitando lugares historicos. Saimos sabendo que haviamos predido o melhor por falta de planejamento, mas ainda assim, Split e Dubrovnik deixaram tanta agua na boca, que certamente, se der, vamos voltar.

No caminho de Split para Dubrovnik, observamos que o sul da Croacia foi formado a partir do erguimento de montanhas calcareas que jogaram sobre a terra montanhas e montanhas de pedras. Ate mesmo para plantar, os croatas tem que retirar as pedras de cima da terra, que exibe um solo fertil e escuro. Devem ter maos fortes esses croatas.

Dubrovnik e uma cidade que tem como ponto principal da atracao, a cidade Velha, que cresceu em torno de uma fortaleza. Ruelas estreitas lembram muito os filmes antigos da Italia.

 

Anúncios

Podem babar. Fomos de navio para Italia, numa viagem de mais ou menos cinco horas, pelo Mar Adriatico, refazendo o trajeto de turco,s romanos, otomanos e gauleses, como Asterix e Obelix, faziam ha mais de um milhao de anos atras.

Agata pirou todo mundo. Adorou. Melhor casinha ate agora, segundo ela. Fala a palavra barco como ninguem.

 

 

Nossa surpresa foi encontrar depois de Zagreb uma joia no boomerang da Croacia. Split foi realmente uma emocao em cada esquina. Ficou um gostinho de quero mais para as Ilhas da costa.

Os precos eram compativeis com os do Brasil.

Ficamos em um albergue tipicamente italiano. Subindo por uma rua estreita e torta, entrando por um portao de ferro pequeno, nos deparamos com um patio coberto por uma trepadeira de Limao Siciliano. Perfumado e florido.

Curtam e saboreiem. Amanha estaremos indo para Dubrovnik.

Um palacio em ruinas de Dioclesiano, que foi aproveitado pelo povo.

Cavernas onde os monges eremitas viviam.

Meus sinceros agradecimentos a um antigo aluno meu chamado Carlos que, descendente de Croatas, me recomendou a visita a esse pais. Um grande abraco para ele.

Quando fomos a Zagreb, nao esperavamos encontrar uma cidade tao maravilhosa e acolhedora. Nos surpreendeu muito a atencao que o povo croata reserva aos seus turistas.

Tudo o que perguntamos, nos foi respondido, em italiano ou em ingles, ou em qualquer outra lingua. E um povo poliglota. Aprenderam isso depois de tantas invasoes e, especialmente, aprenderam a conviver com as diferencas.

Um povo simples e absolutamente normal. Isso e confortante e dessa forma adoramos estar em Zagreb.